5 passos para tirar sua ideia do papel

tirar ideia do papel

5 passos para tirar sua ideia do papel

 

“Uma ideia que é desenvolvido e colocada em ação é mais importante do que uma ideia que existe apenas como uma ideia. ”

Buda

 

5 passos para tirar sua ideia do papel from Thiago Ribeiro on Vimeo.

Já ouvimos diversas vezes que uma ideia não tem valor enquanto não for executada. Isso pode não ser verdade em alguns campos do conhecimento, mas no mundo dos negócios e no empreendedorismo essa afirmação é verdadeira.

Por outro lado, sabemos que nossas ideias não são tão boas como imaginamos e que a maioria delas irá falhar por não encontrar sustentação no mundo real. Que falharemos não por uma execução ruim, mas por termos criado algo que as pessoas não queriam.

Para não ficarmos paralisados com medo de colocarmos nossas ideias em ação é possível, com poucos recursos, mas com bastante trabalho, testá-las e aperfeiçoá-las antes de investir de fato em seu desenvolvimento.

O que iremos sugerir nesse post são 5 passos para lhe auxiliar a tirar a ideia da cabeça, ou do papel e testá-la.

1º Passo – Encontre um problema relevante

Parece bobo, mas esse é o passo mais importante. A base de sustentação de todo o esforço que virá a seguir. Mas o que é um problema relevante?

Em minha opinião um problema relevante deve satisfazer dois princípios:

Primeiro ele deve de alguma forma te inspirar. Deve ser algo que você sinta que vale a pena se dedicar, que lhe dê clareza de propósito. Nem todo empreendedor acha isso relevante e se move pelas oportunidades de negócio, mas se você começar focado apenas nos resultados, provavelmente não irá aguentar o tempo necessário para usufruí-los.

Segundo, encontre um problema que um grupo razoável de pessoas esteja enfrentando e cuja solução seja importante para elas.

2º Passo – Mapeie os segmentos de clientes e priorize

Nossas ideias são ruins porque investimentos muito pouco, ou quase nada tentando entender de fato os nossos segmentos de clientes e os problemas que eles enfrentam. A frase mais dita no mundo das startups é “who cares?” (quem se importa – com sua solução), seguida de “get out of the building!” (saia do prédio e valide suas hipóteses). Conheça seus clientes (potenciais), entenda seu dia-a-dia, suas dores, seus sonhos e objetivos e avalie o tamanho da dor que eles sentem em relação ao problema que você se propôs a resolver.

Avalie os diversos segmentos que podem ser atendidos por sua solução e encontre os mais dispostos a pagar por uma solução inacabada, ainda em desenvolvimento. Eles serão os evangelizadores que lhe auxiliarão não só a desenvolver sua solução, mas a difundi-la para outros segmentos. Não tente atender a todos. Selecione e priorize.

3º Passo – Compreenda o problema e avalie as soluções alternativas

Um projeto é uma das possíveis soluções para a resolução de um problema e, seguramente, sempre há uma solução competindo com a nossa. Muitos empreendedores com ideias inovadoras, precipitadamente, afirmam não enfrentar competição, mas, de modo geral, fixam-se nas características de sua solução e negligenciam o problema e o trabalho-a-ser-executado por seus clientes.

Sempre que você for oferecer uma solução para um problema real e concreto preste atenção em como ele é resolvido atualmente. Seja uma solução caseira, trabalhosa, ou cujos resultados sejam duvidosos, ela competirá com a sua. Nunca se esqueça que, diferente de você, a maioria das pessoas é pragmática e conservadora e prefere manter as coisas como estão a experimentar uma novidade. Qual o grau de satisfação (ou frustração) com as soluções disponíveis? Vale a pena enfrenta-las? Temos condições de superá-las?

4º Passo – Valide a sua Tese de Negócios

Se você chegou até aqui, está lidando com um problema real, encontrou um segmento de clientes grande o suficiente para sustentar seu negócio e avaliou que consegue superar as soluções alternativas disponíveis atualmente. Ótimo!

Qual é sua solução e como ela irá se diferenciar das soluções existentes? Por que os segmentos de clientes irão pagar por ela?

Desenvolva sua Proposição de Valor, explicite sua Tese de Negócios, elabore as hipóteses que irão sustenta-la e defina as premissas que precisam ser validadas. Que comportamento se espera dos clientes? Teste suas premissas e transforme as suposições em fatos, uma a uma!

5º Passo – Lance seu MVP e desenvolva sua solução

A ideia de que podemos começar com um Produto Mínimo Viável é sensacional, mas poucos parecem compreender sua essência e os ganhos trazidos por essa possibilidade. Sim, se o problema for concreto e real e causar dor suficientemente grande em nossos segmentos de clientes, eles se disporão a testar nossa solução (e pagar) e, inclusive, nos ajudar a aperfeiçoa-la e, incrivelmente, a difundir a novidade!

Não tente desenvolver uma solução acabada. Simplifique! Se você não simplificar, sua ideia não sairá do papel, ou quando sair, provavelmente já estará obsoleta, ou pior, não corresponderá às necessidades dos clientes. Faça disso um mantra e não tenha medo de partir para a ação. Não há um único caminho para o sucesso, nem atalhos, nem balas de prata.

Comece agora!

Crie uma solução inovadora para um problema que lhe motive e seja enfrentado por um segmento de clientes grande o suficiente para sustentar seu modelo de negócios que os resultados virão. Mas você precisa começar! Não há motivo para esperar o plano perfeito, nem o dinheiro cair do céu. Se sua ideia for boa, você encontrará meios e pessoas dispostas a te ajudar a concretizá-la.

Caso você tenha críticas, sugestões ou elogios, ou somente queira deixar sua opinião ou ainda compartilhar sua história, não deixe de comentar esse post. Suas palavras serão importantes para estimular outros empreendedores a tirar as ideias do papel.

*Artigo publicado originalmente em agosto de 2015 e atualizado em setembro de 2017