Empreender num negócio próprio pode ser uma boa alternativa à dificuldade de encontrar um emprego?

EMPREENDER

Empreender num negócio próprio pode ser uma boa alternativa à dificuldade de encontrar um emprego?

 

“A oportunidade é perdida pela maioria das pessoas porque ela vem vestida de macacões e se parece com trabalho. ” 

Thomas Edison

Sou um militante do empreendedorismo e acredito no potencial transformador das pessoas empreendedoras. Defendo a necessidade de desenvolvermos essa mentalidade para sermos capazes de construir o país que sonhamos. Acredito, nesse sentido, que empreender é um modo de pensar, um jeito de agir para transformar ideias em realidade e dedico minha vida a absorver conhecimentos e a desenvolver metodologias que ajudem às pessoas a percorrerem esses caminhos e a alcançarem seus objetivos.

Compreendo o empreender como um processo de transformação pessoal, no qual os resultados geralmente são colhidos no longo prazo e cujo objetivo final é o de dominarmos conhecimentos específicos, construirmos nossa autonomia em relação ao uso do tempo e assim garantirmos nossa liberdade enquanto indivíduos.

Em minha visão, um empreendedor bem-sucedido é um ser com domínio sobre o seu destino, capaz de influenciar positivamente a vida de outras pessoas e também os rumos da nossa sociedade.

O fato é que, na maioria dos casos, sinceramente, não considero empreender num negócio próprio uma boa alternativa à dificuldade de conseguir um emprego, mas ainda assim, há situações em que seguir por esse caminho faz sentido.

Ligando os pontos

O famoso discurso de Steve Jobs em 2005 na Universidade de Stanford onde ele fala sobre conectar os pontos, mostrando claramente que não é possível para nós avaliarmos um acontecimento no momento em que ele ocorre é muito importante para nos ajudar a lidar com as situações inesperadas e aparentemente ruins que acometem nossas vidas de tempos em tempos.

Não é incomum coisas que parecem ruins se desdobrarem em coisas positivas e vice-versa. A verdade é que não somos capazes de compreender uma determinada situação no momento que a estamos vivenciando, por isso o melhor é sermos positivos e bloquear os pensamentos negativos que nos machucam e imobilizam.

A perda do emprego em meio a uma crise econômica com as proporções como a que estamos vivendo é uma das situações com grande potencial de nos derrubar emocionalmente, reduzir nossa fé na vida e nos fazer sucumbir à tristeza e à depressão. E isso só piora as coisas e as deixa ainda mais complicadas.

Sabemos por experiência própria (faça um esforço e você se lembrará de algum episódio dessa natureza em sua vida) que a maior parte das situações que à primeira vista são ruins, desdobram-se em oportunidades para nosso aprimoramento pessoal e abrem novos caminhos cheios de novas possibilidades para nossas vidas. A questão, na maioria dos casos, é o tempo que precisa transcorrer para que as transformações ocorram e mais tempo ainda para adquirirmos consciência disso.

O chamado empreendedor

Se você já estava insatisfeito com sua vida de empregado, pensando na possibilidade de empreender, já vislumbrou oportunidades de negócio e desenvolveu competências que lhe permitam avançar por esse caminho, a situação de desemprego atual pode ser encarada como a oportunidade que você precisava para eliminar as desculpas e se concentrar em fazer isso funcionar.

Por outro lado, se você nunca pensou em empreender, não identificou uma oportunidade de negócio e precisa resolver problemas de caixa no curto prazo, empreender num negócio próprio deve ser evitado.

Empreender por oportunidade x empreender por necessidade

Algumas pessoas, que em minha opinião estão equivocadas, assumem que nós brasileiros somos um povo empreendedor. É fato que um terço das pessoas ocupadas são classificadas como empreendedoras, mas 1 em cada 3 ainda empreende por necessidade, ou seja, pela falta de oportunidades de ocupação no mercado de trabalho.

Recentemente em um esforço do Governo Federal, ao menos foram criadas algumas garantias a essas pessoas através do MEI (Microempresário Individual), mas isso não muda o fato que a maior parte dessas pessoas não desejava essa situação, nem encarava essa vida como uma oportunidade para construir sua autonomia, desenvolver competências, realizar seu potencial e se realizar profissionalmente. Trata-se apenas e unicamente de uma forma de garantir seu sustento o que, em minha opinião, não se diferencia muito de um emprego precário e cheio de incertezas.

É preciso ter clareza de propósito e ciência dos desafios à frente para fazer a escolha consciente de se tornar um empreendedor.

A maturação do investimento

O fato é que os resultados de um empreendimento são precedidos de um período mais ou menos longo de investimentos. Temos que investir recursos financeiros, nosso tempo, nossos conhecimentos e nossa energia para que nossa empresa prospere. Portanto, temos que ter acesso a esses recursos antes de iniciarmos nosso empreendimento e não o contrário. Nós temos que servir nossa empresa e não ela a nós, ao menos não no início, quando ela não tem condições para isso.

A maior parte dos micro e pequenos negócios sucumbe nos anos iniciais em decorrência do excesso de confiança e da falta de previdência de empreendedores inexperientes. Nesse momento, não há crédito na praça e o pouco que resta é impagável. Portanto, iniciar um negócio se endividando é sentença de morte garantida dentro de alguns meses.

Amarrando tudo

Se você perdeu o emprego e já vinha planejando empreender, tem conhecimentos e habilidades com valor no mercado ou tino comercial, tempo disponível para se dedicar e dinheiro ou apoio para se sustentar durante cerca de 24 meses, vá em frente, caia de cabeça e comece a desenvolver seu próprio negócio.

Se essa não é sua situação e você precisa achar uma alternativa ao desemprego para manter seu fluxo de caixa positivo, tente fazer trabalhos como free-lancer, encontrar trabalhos temporários que ao menos garantam a entrada de recursos enquanto a economia não muda e vá estruturando seu negócio paralelamente, mas não aposte tudo numa franquia ou coisa que o valha.

Se você já decidiu investir num negócio próprio, não deixe de colocar na conta ao menos R$ 1,00 (para cobrir os prejuízos iniciais) para cada R$ 1,00 investido e comece hoje mesmo a mudar seu padrão de vida, reduzindo o máximo possível sua estrutura de custos.

Ainda como orientação, evite gastos fixos como aluguel de espaços, contratação de secretárias e coisas do tipo se você for um prestador de serviços. Hoje há inúmeras possibilidades desde escritórios vituais, passando por coworkings e uma infinidade de aplicativos e softwares para ajudar você a gerir seu negócio e atender virtualmente.

Empreender é trabalho de tempo integral e os resultados demoram a acontecer

Especialmente nesse momento, onde nossa economia está encolhendo, é recomendado prudência e clareza de propósitos antes de decidir por esse caminho.

Se você já decidiu empreender, tente se preparar ao máximo para esse início, mudando sua mentalidade e entendendo que você deve fazer sua empresa funcionar e não é ela quem tem obrigação de pagar suas contas pessoais.

Tenha clareza de que será preciso passar a rebentação antes de poder aproveitar os benefícios de empreender.

Mas, apesar de todas as dificuldades, adoro essa vida! E desejo sucesso à todos que escolherem seguir por esse caminho.

Post originalmente publicado no Linkedin Pulse.

CTA_2_ASSISTA_mby